quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Inauguração da Exposição Coletiva “Evasões da Natureza” na UTAD

Foi inaugurada hoje a Exposição de Pintura Coletiva “Evasões da Natureza” dos artistas plásticos: Isaura Sousa, Fernando Barros, Leonor Vaz de Carvalho, Carmo Paulino e FMariaProsa








A visita à Exposição pode ser feita das 10h às 16h até 30 de outubro na Galeria da UTAD (Biblioteca Central). 

sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Exposição Coletiva “Evasões da Natureza” em outubro na UTAD

A Exposição Coletiva de Pintura “Evasões da Natureza Morta” reúne na UTAD 5 artistas plásticos: Isaura Sousa, Fernando Barros, Leonor Vaz de Carvalho, Carmo Paulino e FMariaProsa. 

 

Os 5 artistas tratam a mesma temática a Natureza Morta com 5 estilos pictóricos diferentes e complementares: a unidade na diversidade.




 

A abertura da exposição será às 16h do dia 8 de outubro.

 

Ficará patente na Galeria da UTAD (Sala de Exposições da Biblioteca Central) de 8 a 30 de outubro de 2020. Pode ser visitada no horário da Biblioteca Central.

 

Contamos com a sua presença.

 

Olinda Santana

-Membro do Grupo Missão Cultura e Artes - 

domingo, 5 de janeiro de 2020

“Máscaras com faces ocultas” exposição de Isaura Sousa na UTAD


 A exposição “Máscaras com faces ocultas” da artista plástica Isaura Sousaestará patente na Galeria da UTAD (Biblioteca Central) de 6 de janeiro a 10 de fevereiro de 2020. A inauguração da Mostra acontecerá no dia 6 às 16h e 30m com um Porto de Honra. 

A exposição é composta por 29 quadros construídos com materiais em grande parte reciclados, tendo a artista escolhido a técnica mista: pintura, cerâmica e colagem de objetos do quotidiano reutilizados. 

Esta exibição resulta da observação diária da realidade e da consequente necessidade de intervenção da artista na defesa do ambiente em perigo, manifestando uma forma de fazer arte sustentada com os desperdícios habitualmente descurados.

O Príncipe dos Mares - Técnica Mista

A organização da Exposição está a cargo de Olinda Santana, membro do Grupo Missão Cultura e Artes da UTAD.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Para Uma história do Turismo no Douro



No âmbito do projeto DOUROTUR, uma equipa multidisciplinar da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro juntou-se para refletir sobre a NUTS III - Douro de forma inovadora. As cinco investigadoras dispuseram-se a construir conhecimento sobre a história do turismo no Douro. Em Portugal, esta temática encontra-se ainda numa fase embrionária. Este livro pretende iniciar o preenchimento dessa lacuna de saber, centralizando-se numa região com enorme potencial turístico, até há bem pouco tempo, surpreendentemente subaproveitado. Um dos fulcrais resultados do exercício duma contínua reflexão ao longo de três anos foi precisamente este: a imagem do Douro como destino de sucesso foi impulsionada pelo reconhecimento à escala global do Alto Douro Vinhateiro a Património da Humanidade pela UNESCO, em 2001, encontrando-se, porém, em nítido contraste com as imagens construídas sobre o Douro durante séculos. 

Capa do livro
 Num passado longínquo e até finais do século XX, o Douro foi essencialmente um mosaico de terras de montanha encaixado num rio intrépido, uma região de penoso acesso, estremada do resto do país, apenas ligada, durante séculos, ao Porto e a Gaia, os locais exportadores do vinho generoso. Esta situação geográfica isolada foi desfavorável ao seu desenvolvimento demográfico, social e económico, tendo marcado demoradamente toda a sua história.
O Douro hoje tem um rio totalmente navegável, boas autoestradas, um aeroporto, um grande porto de cruzeiros e até um conjunto de heliportos, na sua proximidade. Na verdade, já está muito longe do território estudado, numa perspetiva diacrónica, numa grande parte do presente trabalho.
Os oito capítulos apresentados são olhares complementares que procuram, ao longo da investigação realizada, conhecer melhor o passado escondido do território. Embora as investigadoras tenham tido dificuldades em encontrar fontes antigas para comprovar as suas hipóteses iniciais, conseguiram-no. Daí que ousem apelidar de “visitantes” os homens pré-históricos em trânsito pelo Douro. Descrevem, numa perspetiva histórica, o leque crescente das vias e meios de transporte no território. Apresentam os tipos de turismo que patenteiam uma história mais longa no Douro. Seguem, de igual forma, os olhares “prosaicos” e “poéticos” traçados sobre a região ao longo dos tempos. Todavia, não ficaram pelo estudo do passado, tiveram o cuidado de olhar para o futuro, realçando o que pode tornar ainda mais distintivo o destino: o melhor aproveitamento ambiental e turístico dos equipamentos de educação para o ambiente, bem como a implementação de tipos de turismo emergentes.
Este livro pretende aprofundar conhecimentos sobre a história do turismo na NUTS III – Douro, destino turístico de eleição, com a formulação de propostas para um desenvolvimento social, económico e ambientalmente sustentável.



sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Exposição MATÉRIAS RECRIADAS


A Galeria da UTAD (Sala de Exposições da Biblioteca Central) recebe a exposição de escultura “Matérias Recriadas” de Carlos Pinto até ao dia 28 de novembro, no horário habitual, das 9h às 19h e 30m. A citada exposição é composta por cerca de 20 peças em madeira e metal.

Esculturas de Carlos Pinto
A escultura de Carlos Pinto não obedece a nenhuma corrente artística nem condicionante comercial, é um puro exercício de criação estética. O seu universo criativo e mitológico nasce dos seus diálogos solitários com as madeiras encontradas na natureza e dos metais recuperados do desuso quotidiano.
Nos variadíssimos temas abordados, emerge a figura humana com destaque para a mulher, a figura divina, materializada, sobretudo, em Jesus Cristo no nascimento e na morte. O escultor talha ainda animais saídos dum primitivismo ancestral, respeitando sempre os materiais que lhe são oferecidos pela natureza.
Cria com olhos de criança e mãos de mestre objetos inesperados de raízes de múltiplas árvores e de ferro abandonado. A contemplação das suas obras leva-nos por viagens inesquecíveis.
A curadoria da exposição é de Olinda Santana, membro do Grupo Missão Cultura e Artes da UTAD.

Olinda Santana
Membro do Grupo Missão Cultura e Artes da UTAD

Exposição “A imagem do Douro nos postais turísticos”

A exposição documental “A imagem do Douro nos postais turísticos” é composta por 25 painéis de texto explicativo e imagens de mais duma centena de postais ilustrados, retratando os modos de ver a paisagem duriense, desde o início do século XX à atualidade. Estará patente na UTAD (Polo I da Escola de Ciências Humanas e Ciências) até ao dia 18 de novembro. Esta mostra propõe uma viagem pelas imagens projetadas da paisagem duriense, através do postal ilustrado. Numa primeira parte da exposição, apresentam-se os “instantâneos” criados e disseminados sobre este destino ao longo de várias décadas pelos agentes do sistema turístico. Numa segunda, revelam-se os recortes da paisagem duriense difundidos nos postais ilustrados emitidos pelos 19 concelhos da NUTS III – Douro ou vendidos por empresas privadas nos quiosques, livrarias, lojas de turismo desses mesmos municípios.
Painel 13 Exposição

Os modos de ver a paisagem do Douro estão tradicionalmente associados ao ciclo da vinha e do vinho, à difusão da paisagem rural e urbana da sub-região, bem como à representação do património cultural material (histórico, civil, militar, religioso e vernacular) de cada município.
Esta exposição é itinerante, percorrerá os espaços expositivos dos 19 concelhos durienses. Posteriormente, será exibida em espaços da cidade do Porto, de Lisboa e do Algarve em datas e espaços a indicar.  

Texto de Olinda Santana
Investigadora Sénior Projeto Dourotur

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Exposição de Pintura Beleza Interior

A Galeria da UTAD (Sala de Exposições) da Bibilioteca Central recebe a Exposição de Pintura Beleza Interior de Myriam Borges.

“Myriam Borges (1994) nasci em Cabo Verde, na ilha de Santiago na cidade da Praia.
O meu interesse por arte teve início na minha infância, onde eu aprendi a expressar-me com desenhos e pinturas. 
Comecei a exercitar a minha criatividade, usando a arte como um "escape", onde sou livre para criar, observar e apreciar a verdadeira beleza.
A beleza existe em todos os sítios de várias cores e de várias formas, temos que aceitá-la, apreciá-la e motivá-la. 
A minha obra foi inspirada em mim, na minha maneira de ver o mundo com um estilo vibrante, cores fortes e sem limites”.
 Mais informações:
Contactos artista plástica: mborges94@hotmail.com

@7wcriolart (instagram)


 A referida exposição está patente ao público de 16 de setembro a 9 de outubro 2019.

 A curadoria da exposição está a cargo de Maria Olinda Rodrigues Santana, membro do Grupo Missão Cultura e Artes da UTAD.

 
Quadro de Myriam Borges

Apareça na Galeria da UTAD (Sala de Exposições) - Bibilioteca Central no horário da biblioteca (9h às 19h e 30m).